1
Produtos

Uma noite na vida de um paciente do estudo do sono

 

Você chega às 19:00 h, pronto para passar a noite. Não, não é um quarto de hotel de luxo com serviço de quarto, mas também não é um quarto estéril onde você fica amarrado a vários aparelhos e é observado enquanto uma equipe de especialistas médicos cutucam você com um bastão e o ouvem roncar.

 

Se isso é o que você imagina quando pensa em fazer um estudo do sono, estamos aqui para aliviar sua mente. Embora concedido, pode não ser a melhor noite de sono que você terá, mas se submeter a um estudo do sono é uma maneira crucial de ajudar a diagnosticar distúrbios do sono, como apneia do sono, que não só pode ajudar a salvar a sua vida, mas pode colocar você no caminho para boas noites de sono.

 

“Há poucos testes médicos ambulatoriais que exigem que um paciente seja conectado a fios, use pijamas e durma em uma instalação médica. Embora um estudo do sono seja diferente de outros exames médicos, ele não precisa ser intimidador," diz o representante da American Sleep Association Dr. Neil Kline, clínico geral e especialista do sono.

 

Os pacientes não percebem que dormir em uma clínica do sono é semelhante a dormir em um hotel, com bem menos luxos. No entanto, as salas de estudo do sono são projetadas para se parecer com quartos de hotel. A maior diferença é que você terá fios presos ao seu corpo.

 

O Dr. Kline diz que o processo de estudo do sono é simples e indolor. Veja o que acontece:

 

  1. Os pacientes fazem check-in após o jantar e trazem roupas de dormir confortáveis, além de qualquer roupa de cama favorita, como travesseiro ou cobertor de sua preferência.
  2. Em seguida, os pacientes são conectados a cerca de 20 fios, presos antes da hora de dormir e conectados com massa adesiva, clipes e fita. “Quando o paciente está na cama, pronto para dormir, os fios geralmente não interferem no sono," diz o Dr. Kline.
  3. Eles podem ler, relaxar ou até mesmo assistir televisão antes de dormir, já que muitas clínicas do sono têm TVs no quarto. Além disso, os pacientes são encorajados a seguir seu ritual de sono antes da hora de dormir e, então adormecer, como fariam em casa.
  4. Na clínica do sono, um técnico em polissonografia monitora o paciente de outro quarto. O trabalho do técnico é coletar os dados e garantir a segurança do paciente. A maioria das clínicas usa câmeras infravermelhas e microfones para se comunicar com o paciente, se necessário.
  5. O técnico registra vários sinais biológicos que ajudam a avaliar padrões de sono. Esses sinais incluem EEG (ondas cerebrais), EOG (movimentos oculares), EMG (movimentos musculares), ECG (ritmo cardíaco), movimentos respiratórios e níveis de oxigênio. Depois que os dados são coletados e processados, eles são enviados a um médico do sono para interpretação. O médico pode, então, intervir em qualquer distúrbio do sono que possa precisar de tratamento. “Os estudos do sono são geralmente suficientes para diagnosticar ou excluir apneia do sono," diz Kline. Embora ocasionalmente, um segundo estudo é necessário se houver dados inadequados. E sim, os pacientes dormem uma quantidade significativa de horas durante o estudo. “É raro que alguém não durma," diz Kline. De manhã, o paciente é desconectado dos eletrodos e pode deixar a clínica. É importante notar que passar por um estudo do sono é uma experiência indolor. Embora haja alguns inconvenientes em ter fios conectados ao corpo, a experiência no geral não é tão diferente de dormir em um hotel, exceto pelo serviço de quarto.

Você acha que pode ter apneia do sono?