Centro de Notícias | Brasil

mar 18, 2021

Estudo da Philips revela impacto negativo da Covid-19 na qualidade do sono e do uso de CPAP

  • 74% das pessoas entrevistadas experimentaram um ou mais problemas de sono desde o início da pandemia
  • 96% dos pacientes entrevistados com apneia do sono que interromperam a terapia CPAP, citaram razões relacionadas à Covid-19
  • 53% relataram a vontade de usar a telemedicina para uma questão relacionada ao sono, alinhando-se com o compromisso da Philips de fornecer suporte ao atendimento por telemedicina para pessoas que estão em casa

Amsterdã, Holanda – Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHIA), líder global em tecnologia de saúde, acaba de divulgar os dados de sua pesquisa anual sobre o sono, intitulada “Em busca de soluções: como a Covid-19 mudou o sono pelo mundo. A companhia entrevistou 13 mil adultos em 13 países, incluindo o Brasil, para colher as  percepções e comportamentos da população mundial em relação ao sono.  No caso dos brasileiros, o estudo deste ano aponta que, desde o início pandemia, 74% dos entrevistados adquiriram um ou mais problemas de sono, com 50% relatando que a pandemia afetou diretamente sua capacidade de dormir bem.


A pesquisa, que está em sua sexta edição, também revela que, embora esses desafios tenham sido generalizados, os pacientes com apneia do sono foram afetados de forma desproporcional. A boa notícia é que há um grande interesse na implementação de ferramentas e estratégias — como telemedicina, recursos de informação on-line e mudanças no estilo de vida — para lidar com essas adversidades.

Aumenta o número de pessoas que recorrem a recursos on-line e telemedicina para lidar com problemas relacionados ao sono

Embora algumas pessoas tenham utilizado outros recursos para lidar com problemas de sono — como música suave, meditação ou leitura —, muitas recorreram à pesquisas on-line para aprender mais sobre tratamentos para melhorar o sono (22%). Com o aumento do teleatendimento durante a pandemia, mais da metade (53%) dos entrevistados demonstrou vontade de, futuramente, buscar ajuda de um especialista por meio de serviços de telemedicina para questões relacionadas ao sono, embora muitos ainda não tenham dado esse passo. À época da entrevista, a maioria (75%) acreditava que seria difícil [1] encontrar um especialista em sono em um canal on-line ou por telefone
Os resultados da pesquisa deste ano confirmam o que já sabíamos: com as soluções certas, o atendimento não precisa estar vinculado às instituições de saúde, mas às necessidades do indivíduo e sua condição.

Sergio Vitorino

líder LATAM de Cuidados do Sono e Respiratório da Philips

“Os resultados da pesquisa deste ano confirmam o que já sabíamos: com as soluções certas, o atendimento não precisa estar vinculado às instituições de saúde, mas às necessidades do indivíduo e sua condição”, explica Sergio Vitorino líder LATAM de Cuidados do Sono e Respiratório da Philips. De acordo com Sergio, as tecnologias necessárias para viabilizar a telemedicina de maneira confiável e segura já existem. Inclusive, a Philips já oferece soluções que permitem a conexão entre paciente e profissional de saúde, como é o caso do EncoreAnywhere e Care Orchestrator.

 

“Por conta da pandemia, a população tem evitado a ida às instituições de saúde, e nós percebemos o aumento do interesse dos pacientes em telemedicina. Quando usada corretamente, em conjunto com um profissional, essa tecnologia pode aumentar a eficiência e a qualidade do atendimento, melhorar os resultados de saúde, capacitar os pacientes a tomar decisões conscientes e fornecer cuidados de saúde equitativos para todos, em especial, para o tratamento da apneia do sono.  Ampliar esse alcance por meio de soluções tecnológicas significa capacitar os profissionais a orientar assertivamente os pacientes sobre diversos ambientes e transições de cuidados, gerando melhores resultados de saúde” finaliza Sergio.

 

A Philips conta com soluções completas de ponta a ponta para o uso doméstico, como o dispositivo de testes do sono para o domicílio,  Alice NightOne. O produto possui a mesma tecnologia de sensores recomendada pela Academia Americana de Medicina do Sono (AASM), com três sensores externos (esforço, fluxo e oximetria) que oferecem sete canais de dados de parâmetros do sono. Do lado profissional, os médicos podem gerenciar remotamente seus pacientes de sono e respiratórios usando o Philips Care Orchestrator.

 

Com o lançamento da Philips Respironics Mask Selector, a primeira e única solução de digitalização facial em 3D clinicamente validada, que permite o desenvolvimento de uma máscara de terapia CPAP de baixo toque personalizada levando em consideração as necessidades específicas de cada paciente, a Philips promove o cuidado com o sono de qualquer lugar e de forma altamente precisa e com conforto. A solução estará disponível no Brasil nos próximos meses.

Pacientes com apneia do sono e terapia CPAP durante a Covid-19

A apneia do sono continua afetando a qualidade do sono de pessoas do mundo inteiro. No Brasil, os entrevistados relataram que pelo menos 8% ao ano, nos últimos dois anos, foram diagnosticados com apneia do sono. Embora a terapia com pressão positiva contínua nas vias respiratórias (CPAP) seja o tratamento mais comum prescrito para a enfermidade, a pesquisa deste ano revelou uma leve queda na proporção de pacientes que utilizam a CPAP – em 2020, 9%, e em 2021, 5%. Houve ainda um aumento de 3% em 2020 e 5% em 2021 na proporção de quem nunca realizou a terapia mesmo sendo prescrita.

 

Fica claro que a  Covid-19 foi um dos fatores que inibiu a adesão a este tratamento, uma vez que os entrevistados pontuaram que as razões relacionadas a interrupção da terapia são reflexos do que a pandemia gerou, sendo: desafios financeiros (79%) e acesso limitado aos suprimentos necessários (51%). Contudo, um dos pontos mais sensíveis identificado é que, possivelmente, 74% daqueles que possuem apneia do sono, nunca receberam a prescrição para utilizar a CPAP.

 

A pesquisa anual de sono da Philips comprova o compromisso da empresa em desenvolver soluções clinicamente comprovadas para capacitar aqueles que vivem com apneia do sono e aqueles que enfrentam outros desafios relacionadados ao tema, para assumir o controle de sua saúde. Há mais de 35 anos, a Philips estuda o sono em todas as suas perspectivas, coletando bilhões de dados para entender melhor como o sono afeta a saúde, a partir de softwares que geram essas informações. Hoje, o crescente portfólio de soluções para o sono oferecido pela Philips trata coletivamente mais de 80% dos problemas de sono conhecidos [2]. Essas tecnologias e serviços são comprovados por pesquisas clínicas e dados técnicos para oferecer atendimento personalizado e inspirar confiança entre aqueles que os utilizam.  A pandemia da Covid-19 pode ter afetado para sempre o setor da saúde, incluindo o cuidado com o sono. Desde o início de 2020, por exemplo, a Philips teve um aumento de 35% no número médio de dispositivos exclusivos conectados ao seu software em nuvem voltado ao gerenciamento remoto de pacientes respiratórios e do sono [3], destacando a necessidade de tais soluções.

 

Se você conhece alguém que possa ter apneia do sono, acesse o site Philips.com.br/apneiadosono para responder a um questionário on-line sobre sintomas e falar com um médico imediatamente.

 

Para saber mais sobre a pesquisa global do sono e o compromisso da Philips em melhorar o acesso à tecnologia do sono em todo o mundo, visite Philips.com.br/apneiadosono. Para participar da conversa sobre saúde do sono e sobre o crescente conjunto de soluções de sono prescritas por médicos para o consumidor da Philips, siga a Philips em @PhilipsSleepWellness ou @PhilipsResp.

 

 

 

Referencias

[1] Indica concordância efetiva "relativa" ou "completa" com a declaração

[2] Ronco, Sono curto, Insônia e Apneia obstrutiva do sono

[3] Baseado em imagens do banco de dados do Encore Anywhere da Philips. Variação percentual entre a média diária de dispositivos únicos conectando-se ao Encore Anywhere por empresas dos EUA = 1.490.341 em 31/12/2019 e a média diária de dispositivos únicos conectando-se ao Encore Anywhere por empresas dos EUA = 2.005.352 em 01/10/2020

Sobre a Royal Philips

A Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHIA) é uma empresa líder de tecnologia em saúde com foco no aprimoramento da saúde e do bem-estar das pessoas e em proporcionar melhores desfechos em todo o continuum de saúde, desde um estilo de vida saudável e da prevenção de doenças ao diagnóstico, tratamento e atendimento domiciliar. A Philips potencializa a tecnologia avançada e profundos insights clínicos e de consumo para fornecer soluções integradas. Com sede na Holanda, a empresa é líder em diagnóstico por imagem, terapia guiada por imagem, monitoramento de pacientes e informática da saúde, bem como em saúde do consumidor e atendimento domiciliar. A Philips emprega cerca de 82.000 colaboradores no setor de vendas e serviços, em mais de 100 países e, em 2020, gerou 19,5 mil bilhões de euros em vendas. Para obter notícias sobre a Philips, visite o site www.philips.com/newscenter

Leia maisLeia menos

Sobre a Pesquisa

Esta pesquisa foi realizada online pelo Grupo KJT, Inc. em nome da Philips de 17 de novembro a 7 de dezembro de 2020 entre 13.000 adultos com 18 anos ou mais em 13 países (Austrália: n=1.000; Brasil: n=1.000; China: n=1.000; França: n=1.000; Alemanha: n=1.001; Índia: n=1.000; Itália: n=1.000; Japão: n=1.000; Holanda: n=1.000; Cingapura: n=1.000; Coreia do Sul: n=999; Reino Unido: n=1.000; e EUA: n=1.000). A pesquisa foi realizada na web e autoadministrada no(s) idioma(s) primário(s) de cada país. Estas foram amostras não probabilísticas e, portanto, uma margem de erro não pôde ser estimada com precisão. Para obter a metodologia completa da pesquisa, incluindo a ponderação das variáveis, entre em contato com Meredith Amoroso em meredith.amoroso@philips.com

Leia maisLeia menos

Temas

Contatos

Ileana Carrasco

Ileana Carrasco

Gerente de Comunicação Externa e Relações Públicas

Tel: +1 305 520 9025

Material gráfico

Compartilhe nas redes sociais