Hospital San Paolo aumenta 25% de sua receita e aprimora os processos assistenciais

Texto: Gisélle G. Olimpio e Matheus Montibeler
 

O desenho de um sistema de informatização hospitalar requer considerações complexas; muitas vezes, as variáveis relacionadas à efetividade de funcionamento do sistema estão intimamente ligadas à padronização dos processos aplicados nos serviços e ao envolvimento dos usuários no planejamento, implantação e utilização do sistema.

 

Por outro lado, existem formas de transpor as dificuldades envolvendo todos os departamentos e seus respectivos colaboradores nas metas a serem atingidas e nas respectivas vantagens que o sistema vai proporcionar nos resultados do trabalho quando concluído.

 

De acordo com o diretor médico e técnico, José Carletti Junior, desde o início, ainda no processo de aquisição de uma solução é importante observar alguns pontos importantes para escolher um sistema de gestão em saúde: que tenha aderência às necessidades dos processos; que os módulos sejam totalmente integrados e que o sistema seja “amigável”, de fácil utilização e confiável.

Segurança clínica e assistencial e controles administrativos integrados fazem do Tasy o sistema que proporciona ao hospital trabalhar com mais segurança e melhores resultados financeiros

 

Contate-nos

Ele cita que no Hospital San Paolo os processos eram efetuados manualmente, o que dificultava a rotina do hospital em dois aspectos:

 

  1. Ponto de vista dos pacientes: recebiam atendimento mais demorado pelo fato de não haver histórico dos procedimentos e exames realizados.
  2. Administrativo: sem ferramentas adequadas não é possível medir indicadores fundamentais para uma boa administração da instituição, como o dia e o horário de maior movimentação de pacientes, dificultando assim a escala exata de médicos, enfermeiros e técnicos para suprir a demanda daquele determinado dia, além de não conseguir medir o faturamento, controlar a produtividade da equipe médica e elaborar relatórios de desempenho para melhoria de indicadores.

Foi no início da década de 2000, momento em que muitas instituições estavam em busca de mais tecnologia, que o hospital implantou o sistema de gestão em saúde Tasy.

 

Edilene Ito, coordenadora de TI e Danilo Santo, supervisor de Projetos, comentam que a implantação de um sistema de gestão, em qualquer segmento, requer um alto nível de comprometimento e colaboradores preparados e participantes do projeto.

Na área de saúde, o peso para uma implantação de sistemas é enorme, visto que o objetivo é a informatização de rotinas que prezam a saúde do paciente”

Aumento da receita em 25%

 

José Carletti Junior declara que o maior legado do Tasy foi a disseminação do conceito de gestão corporativa para os colaboradores, pois a utilização de um sistema nas rotinas do dia a dia amplificou o entendimento da importância de cada colaborador executar suas atividades de forma correta e padronizada, além de permitir a extração de relatórios e indicadores on-line para as melhores tomadas de decisão.

 

Além desses benefícios, a implantação do Tasy no hospital permitiu o aumento da receita do hospital em 25%. O controle on-line das contas hospitalares é possível por meio do Tasy, também o controle financeiro/contábil por meio das funções como “fluxo de caixa” e “contabilidade” para o equilíbrio do resultado (contas a receber x contas a pagar). “Os resultados obtidos foram bastante significativos, pois, nos processos administrativos, os controles paralelos deixaram de existir e o fluxo da conta do paciente, desde sua criação até a cobrança, garantiram assertividade e agilidade.

 

Além dos processos assistenciais, como a prescrição e dispensação de medicamentos, que garantem o melhor e mais seguro atendimento a todos os pacientes.

 

Os alertas emitidos pelo sistema também proporcionam segurança ao paciente e ao próprio profissional, além da agilidade nos atendimentos”, afirma o diretor José Carletti Junior.

 

 

Melhoria no fluxo do processo assistencial

 

Aprofundando no tópico assistencial, para a gerente de enfermagem Solange do Carmo Gregio Salomão, o Tasy trouxe mudanças significativas para a segurança clínica e assistencial da instituição nas questões de:

 

  • Rapidez: o usuário é capaz de entrar e recuperar o dado rapidamente, agilizando o diagnóstico e a tomada de decisão
  • Facilidade: o histórico ou situação clínica do paciente tem acesso multiusuário
  • Comunicação: amplia a possibilidade de comunicação entre equipes multiprofissionais
  • Melhoria no fluxo de trabalho aumentando a eficiência e a efetividade
  • Melhoria na documentação, mais clareza e legibilidade
O Tasy representou a transcrição fidedigna das negociações junto aos clientes proporcionando qualidade, confiabilidade e rastreabilidade na execução das regras comerciais, bem como nos módulos de auditoria e glosas, na identificação das informações dos setores e divergências para atuação pontual e imediata da melhoria a ser implementada. Ganhamos tempo, qualidade e redução nas perdas operacionais”,

Gerente comercial e de auditorias e glosas do hospital, Eduardo Ferraz Belvederese.

Economia de papel

 

Solange Salomão enfatiza que a adesão ao Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) é uma oportunidade de instituições e profissionais de saúde otimizarem a base de dados dos pacientes, facilitando a assistência prestada, melhorando o atendimento e a segurança dos pacientes, proporcionando benefícios no desempenho de suas atividades assistenciais e administrativas na gestão hospitalar.

 

Por isso, a informatização de áreas como a Enfermagem, por exemplo, propiciou maior segurança das informações. Vera Finzetto, gerente de gestão de capital humano comenta que foi um salto de qualidade nas atividades dos colaboradores usuários, os quais deixaram de exercer funções meramente de controle que comprometiam principalmente o tempo de trabalho, para outras com maior valor agregado ao cargo.