Promover a eficiência energética para combater as mudanças climáticas

set 12, 2022 - Tempo de leitura previsto: 5-7 minutos

"Houston, temos um problema." Essas palavras famosas, ditas por Jim Lovell, comandante da missão Apollo 13 da NASA para a Lua, devem ser consideradas um dos maiores eufemismos da história. Elas também são um exemplo da capacidade da humanidade de manter a calma diante da adversidade – de continuar pensando e resolver o problema. Qualidades que precisaremos à medida que buscamos inovar para sair dos desafios globais que enfrentamos hoje.

Header Driving Energy Efficiency

A Apollo 13 foi lançada do Centro Espacial Kennedy em 11 de abril de 1970. No entanto, o pouso lunar foi abortado dois dias depois da missão, depois que uma explosão a bordo liberou os tanques de oxigênio para o espaço. De volta à Terra, os controladores da missão entraram em ação: improvisaram novos procedimentos para trazer a tripulação viva para casa. Isso incluiu inovação imediata para o fornecimento de energia necessário para alimentar o módulo do "bote salva-vidas" para a viagem de volta.


Avançamos mais de 50 anos – de viajantes planetários com uma necessidade urgente de soluções que salvam vidas a um planeta que precisa urgentemente de soluções que salvam vidas. Hoje, as mudanças climáticas estão ameaçando a vida e os meios de subsistência de centenas de milhões de pessoas em todo o mundo. E precisamos agir rápido.

Inovar as soluções que salvam vidas


A saúde humana e a saúde ambiental não podem ser vistas separadamente [1]. Para levar uma vida saudável, as pessoas precisam de um planeta saudável. Como uma empresa de tecnologia em saúde consciente de nossa responsabilidade com a sociedade, estamos nos unindo a nossos clientes e fornecedores para desenvolver soluções inovadoras que melhorem a saúde e o bem-estar das pessoas, ao mesmo tempo em que minimizam o impacto ambiental. Isso significa intensificar nossa ação para mitigar as mudanças climáticas.


Assim como na Apollo 13, vemos o uso sustentável de energia – juntamente com o uso sustentável de materiais – como uma parte vital da solução. Em nível global, há um importante potencial de descarbonização na transição para energia renovável, bem como na melhoria da eficiência energética ao longo da vida dos dispositivos e sistemas que usamos – no nosso caso, aqueles implantados na área da saúde [2]. 

First Pan European consortium for future wind farm

Energia renovável


Em instalações de uso intensivo de energia e em grande escala, como hospitais, a mudança para energia renovável pode causar um impacto significativo. A parceria com pares pode ajudar a alcançar a escala necessária. A Philips, por exemplo, garantiu seu fornecimento de eletricidade renovável na Europa por meio de acordos de compra de energia liderados por consórcios. Este tem sido um fator-chave para a Philips ter operações neutras em carbono desde o final de 2020.

Eficiência energética de dispositivos e sistemas


Todos os anos, na Philips, publicamos uma conta de Lucros e Perdas Ambientais (EP&L), que expressa o impacto ambiental total de nossas atividades e produtos – desde o design do produto até o descarte final pelo usuário – em termos de custo monetário. Isso fornece informações importantes sobre as principais áreas em que precisamos inovar para reduzir o nosso impacto ambiental.

Environmental impact

Se analisarmos a nossa conta de EP&L de 2021 acima, vemos que o consumo de energia durante a fase de uso dos nossos produtos pelo cliente representa cerca de 80% do nosso impacto ambiental total. Por essa razão, estamos trabalhando continuamente — por meio de nosso programa EcoDesign — para reduzir o consumo de energia de todos os nossos produtos.


Introduzido na Philips em 1994, o EcoDesign é uma abordagem que considera holisticamente todos os aspectos do desenvolvimento e design do produto. Ao aplicar a análise do ciclo de vida como base do nosso processo de EcoDesign, somos capazes de identificar e realizar melhorias significativas em quatro "áreas focais verdes": energia, substâncias, embalagem e circularidade.

Philips Azurion with Neuro Suite

Por meio da melhoria da eficiência energética de um produto, podemos reduzir o consumo de energia e a pegada de carbono. Nossa plataforma de terapia guiada por imagem Azurion, por exemplo, reduz o consumo de energia em mais de 10% em relação ao uso total da vida útil do sistema em comparação com o seu antecessor [3].


E na área de diagnóstico por imagem, nosso scanner Ingenia 3T MR incorpora a tecnologia PowerSave, que adapta o consumo de energia gradiente ao status do sistema para reduzir o consumo de energia, alternando para modos de energia mais baixos quando o sistema não está sendo usado para varredura.


Da mesma forma, inovações como nosso mecanismo de aceleração de RM Compressed Sense e o software de reconstrução baseado em IA SmartSpeed resultam em tempos de varredura mais curtos com impacto limitado no consumo de energia. Isso significa que, com aproximadamente a mesma quantidade de energia, o hospital pode atender mais pacientes, aumentando assim a produtividade.

Phillips Smartspeed MR software

Parceria entre setores


A Philips apoia ativamente uma iniciativa voluntária do setor com a associação comercial europeia COCIR para melhorar a eficiência energética e a eficiência de materiais dos equipamentos médicos de imagiologia [4]. A COCIR desenvolveu metodologias para medir o consumo de energia de dispositivos médicos. Como parte dos Critérios Públicos Verdes da UE para dispositivos médicos, essas metodologias são projetadas para fornecer aos compradores todas as informações necessárias para calcular os custos operacionais e escolher o melhor equipamento de acordo com as suas necessidades.

Nuvem e software como impulsionadores da eficiência energética


A tendência para a digitalização também pode ajudar a melhorar a eficiência energética. Por exemplo, estudos mostraram uma redução de 84% na energia consumida quando nossos clientes usam grandes data centers centralizados baseados em nuvem, ao invés de uma infraestrutura no local [5]. Um uso mais inteligente e eficiente do software pode levar a uma redução potencial de energia entre 30% e 90% [6]. E as empresas podem reduzir o consumo de energia da aplicação em até 50 vezes simplesmente ao selecionar a linguagem de programação apropriada para a tarefa.

Ajudar nossa cadeia de suprimentos a melhorar a eficiência energética


Além de manter a neutralidade de carbono em nossas próprias operações e impulsionar a inovação de produtos e modelos de negócios, reduzir a pegada de carbono de nossa cadeia de suprimentos é fundamental para a Philips, pois nos esforçamos para reduzir as emissões em nossa cadeia de valor de acordo com um cenário de aquecimento global de 1,5 °C.

Improved Working Condition

Como parte do nosso programa Green Supply Chain, realizamos avaliações no local – por exemplo, na China – onde identificamos oportunidades de eficiência energética que permitem que nossos fornecedores façam reduções de carbono eficazes. Por exemplo, as instalações podem ter sistemas de iluminação desatualizados ou o isolamento pode ser inadequado. Nossa equipe calcula para o fornecedor qual seria o impacto no custo e também o retorno. Houve uma resposta positiva dos fornecedores em relação a essas avaliações. Eles também implementaram as recomendações da avaliação com frequência.

Falhar não é uma opção


A missão Apollo 13 teve um final positivo. Demonstrando conhecimentos técnicos, desenvoltura e perseverança, a tripulação e os controladores da missão conseguiram improvisar soluções para o fornecimento de energia e outros problemas críticos. Depois de quase seis dias no espaço, a espaçonave caiu com segurança no Oceano Pacífico Sul.


Se a humanidade mostrar a mesma unidade de propósito, criatividade e determinação para resolver os problemas que nosso planeta enfrenta hoje, também poderemos superar as adversidades. Empresas como a Philips, com o poder de inovação e a capacidade de dimensionar soluções, têm um papel vital a desempenhar nesse empreendimento. Mas nenhuma parte pode virar a maré sozinha. É preciso todos nós, trabalhando juntos.


Há muito que nós – empresas privadas, governos, organizações públicas, mas também cidadãos – podemos fazer para impulsionar a transição para uma economia de baixo carbono. Operar com carbono neutro, mudar para modelos de negócios “como serviço” e adotar práticas circulares, para citar apenas alguns. Assim como a tripulação da Apollo 13, não temos tempo a perder.

You are about to visit a Philips global content page

Continue

Para visualizar melhor o nosso site, utilize a versão mais recente do Microsoft Edge, do Google Chrome ou do Firefox.