Centro de Notícias

jun 03, 2019

A perspectiva do radiologista em relação à tecnologia de diagnóstico por imagem pode ajudar a solucionar alguns dos maiores desafios no atendimento médico
 

Focar mais no paciente pode aumentar a produtividade e a eficiência dos procedimentos de IRM

 

Arjen Radder, líder de negócios, IRM global na Philips, conversa com o radiologista cardíaco, Dr. Christoph Juli, sobre uma série de temas sobre diagnóstico por imagem, desde a confiança no diagnóstico até o comprometimento da equipe, a restituição, e o custo total da posse. Em particular, o Dr. Juli explica porque a confiança em diagnósticos é uma arte e uma ciência, como a velocidade está aumentando o potencial do IRM em diagnosticar doenças, os motivos pelos quais o conforto do paciente deve estar associado com comunicação e confiança, e o que está gerando uma possível realidade na forma em que poderemos ver scanners de IRM em shoppings num futuro não tão distante.

 

Arjen Radder, Philips: Quando a Philips realizou seu painel de discussão #theNextMRWave Livestream há alguns meses com radiologistas de todo o mundo, achei muito interessante que o consenso de todos esses especialistas foi que não podemos reduzir a um único método quando se trata da melhor maneira de melhorar a confiança diagnóstica na IRM sem comprometer a produtividade ou o conforto do paciente. Para mim, isso ressalta a complexidade do desafio do diagnóstico por imagem e o valor de uma solução integrada e focada em resultados.

 

Dra. Christoph Juli, radiologista: Isso é muito certo. A confiança diagnóstica é um equilíbrio entre arte e ciência; é impreciso e intuitivo, além de pesquisado, medido e objetivo. Precisamos nos concentrar em muitas áreas: melhorar a qualidade da imagem através da inovação clínica; explorar a IA para avançar a confiança diagnóstica; adotar técnicas quantitativas de diagnóstico por imagem para apoio à decisão; e treinar e educar nossa equipe.

 

Arjen Radder, Philips: Velocidade, conforto e confiança costumavam ser fatores concorrentes na IRM, mas eles não são mais. O que mais entusiasma você sobre os avanços recentes da tecnologia de IRM e como ela pode afetar o atendimento ao paciente?

 

Dra. Christoph Juli, radiologista: Os avanços na velocidade da tecnologia de IRM estão abrindo toda uma nova área de potencial para uma melhor confiança diagnóstica e rastreamento de doenças (por exemplo, imagens da composição corporal) que não eram viáveis ​​antes devido à duração das ressonâncias magnéticas. Com tecnologia como o Compressed SENSE da Philips, usado com IRM, podemos fazer exames de imagem mais rapidamente do que antes, com alta qualidade de imagem, mesmo em um exame cardíaco exigente. Isto é particularmente importante em cardiologia, onde a detecção precoce de doenças cardíacas ou a previsão de insuficiência cardíaca - antes que um ataque cardíaco aconteça inesperadamente - possa ter um impacto significativo nos desfechos dos pacientes.

Arjen Radder, Philips: Durante o painel de discussão no evento #theNextMRWave Livestream, um dos participantes perguntou: “Com tanta pressão na produtividade, o conforto é mesmo tão importante quanto a velocidade e a confiança?” Você teve uma resposta interessante sobre a importância do conforto que reforçou alguns dos comentários que recebemos de pacientes reais em nossa Pesquisa de Experiência do Paciente em Diagnóstico por Imagem, que, além do conforto, eles valorizam a comunicação e a confiança no médico. Você pode explicar seus pensamentos sobre isso em mais detalhes?

 

Dra. Christoph Juli, radiologista: O que algumas pessoas não entendem é como o conforto do paciente, ou a falta dele, afeta a produtividade ou a velocidade e a confiança no diagnóstico. Se um paciente não estiver confortável, há uma chance maior de ele se mover durante o exame, o que cria artefatos de movimento e afeta a qualidade da imagem e a confiança no diagnóstico. Isso também pode significar que eles precisam fazer uma nova varredura, o que afeta a produtividade. Características mais orientadas ao conforto em aparelhos de ressonância magnética fazem a diferença para muitos pacientes, particularmente para aqueles com alto índice de massa corporal (IMC) ou claustrofobia. No entanto, o conforto em si não é a única resposta. Para alguns testes, será desconfortável e, mesmo podendo fazer coisas para tentar facilitar ao máximo o exame dos pacientes, haverá o desconforto e não há como evitar isso. Então, para mim, o termo “conforto” e a importância dele, também devem ser combinados com comunicação e apoio da equipe para ajudar os pacientes a passar pelo desconforto do exame.


Por exemplo, com diagnóstico por imagem de estresse com adenosina, estamos colocando alguém em um tubo apertado e estamos dando a eles um fármaco que os faz sentir como se alguém estivesse sentado no peito deles. Do meu ponto de vista, o que realmente ajuda o paciente é dar-lhes uma indicação visual de por quanto tempo eles precisam prender a respiração. Ao mesmo tempo, explicamos previamente ao paciente o que vai acontecer. Precisamos ser honestos e dizer a eles: "Sim, isso vai ser desconfortável, mas não se preocupe com isso, vamos guiá-lo ao longo do processo muito bem, estamos aqui com você e você terá tanto indicação visual quanto de áudio para reforçar a duração da suspensão da respiração”. Esse tipo de conforto – combinado com comunicação e confiança - é realmente útil para as pessoas, nós tivemos um feedback muito positivo em relação a isso.

Arjen Radder, Philips: Esse é um ótimo ponto e, há pesquisas que suportam o que você está dizendo sobre a necessidade de apoiar e envolver os pacientes durante todo o processo do exame. Em um recente estudo global de IRM com 40 radiologistas e radiógrafos em todo o mundo, a SuAzio Consulting descobriu que os ganhos de eficiência da IRM podem ser obtidos pela implementação de um enfoque mais forte no paciente e envolvendo mais o paciente no processo do exame. [1] A pesquisa também descobriu que 45% dos entrevistados não estavam cientes das tecnologias que podem melhorar a adesão do paciente, reduzir a repetição dos exames e minimizar o movimento do paciente. Isso me diz que ainda há muito a ser feito em termos de conscientização sobre o importante vínculo entre a produtividade da IRM e o diagnóstico por imagem centrado no paciente. Os pacientes que se sentem confortáveis ​​e seguros facilitam a aquisição de imagens de alta qualidade pela equipe, o que se correlaciona com os principais indicadores de desempenho e de eficiência e produtividade (KPIs) da IRM.


Dra. Christoph Juli, radiologista:
 Sim, correto. Estamos fazendo um tremendo progresso na velocidade dos exames e equipamentos de IRM, mas “fatores do paciente” como conforto ou comunicação, que contribuem para a eficiência dos exames de IRM, são um pouco mais complicados, pois cada paciente é diferente, cada exame é diferente e cada técnico é diferente. Existem maneiras melhores de aumentar a adesão do paciente e reduzir a necessidade de repetição de exames.Hospitais e centros de diagnóstico por imagem devem procurar equipamento e tecnologia de IRM que possam fornecer distração positiva e ativa, bem como orientação de procedimentos, para os pacientes. O outro aspecto importante é treinar a equipe em como fornecer conforto, suporte, segurança e comunicação para os pacientes durante todo o processo, para abordar os outros fatores sutis que afetam a experiência e a conformidade do paciente.

 

Arjen Radder, Philips: Eu não poderia concordar mais sobre a necessidade de distração positiva e ativa para pacientes durante exames de IRM. Usando o Ambient Experience da Philips, os pacientes podem selecionar um tema antes de entrar na sala de imagens, oferecendo um ambiente relaxante de sua escolha pela projeção de imagens, iluminação ambiente e som. A partir do momento em que o paciente é transferido para o aparelho, o Ambient Experience In-bore Connect ajuda o paciente a se sentir confortável, fornecendo orientações como suspensão de respiração e duração de tempo que você mencionou como muito importantes.

Arjen Radder, Philips: Vamos falar um pouco agora sobre a equipe no departamento de diagnóstico por imagem. Quando você fala sobre a importância de investir na equipe, sabemos que o treinamento para usar o equipamento de forma eficaz e entender as imagens é primordial, mas melhorar a experiência da equipe e reduzir o desgaste deles também são preocupações importantes para os hospitais. De acordo com recente pesquisa da Advisory Board Company, um dos principais imperativos para os líderes de radiologia é limitar a rotatividade e o desgaste de sua força de trabalho atual por causa do impacto tangível que tem sobre a qualidade, custo, produtividade e saúde dos radiologistas.[2] Em particular, o declínio das restituições é um dos quatro principais contribuintes para o desgaste. Como você vê a questão da falta de radiologistas e do desgaste impactando o atendimento médico hoje e quais estratégias você usa para abordá-los em seu próprio papel como radiologista?

 

Dra. Christoph Juli, radiologista: Concordo que é uma questão global que afeta o atendimento médico. Embora existam algumas razões globais comuns, como a falta de radiologistas, há também algumas específicas para cada hospital e cada país. Assim, as formas de resolver a falta de radiologistas e o desgaste serão abordadas de maneira diferente. A inteligência artificial é uma das maneiras pelas quais podemos ajudar a reduzir o desgaste, usando-a para reduzir as tarefas cotidianas, demoradas ou rotineiras que fazem parte do trabalho de um radiologista, para que possam concentrar seu tempo em preocupações de alto nível.

 

Em termos de restituições, essa é uma pressão que todos enfrentamos no atendimento médico e pode ser estressante. Por exemplo, o governo suíço diminuiu significativamente nossas restituições.Agora, estamos usando a nova plataforma Ambition MRI da Philips juntamente com o Compressed SENSE para reduzir os tempos de exame para lidar com os volumes mais altos de pacientes, como resultado da redução na restituição. Isso nos permite continuar a oferecer uma ótima qualidade de imagem, colocar o foco de volta nos pacientes e, em última análise, ajuda a reduzir o desgaste da equipe.

Arjen Radder, Philips: Vamos falar um pouco sobre o custo total da posse (TCO). Você mencionou o uso de nosso Ingenia Ambition, baseado em nosso ímã BlueSeal totalmente selado, que permite operações de IRM mais produtivas[3] e livres de hélio .A tecnologia BlueSeal é um salto no progresso da sustentabilidade sobre a maioria dos equipamentos de IRM que possuem ímãs que não são totalmente selados, que permitem que o hélio escape. Quando o hélio escapa, pode resultar em interrupções demoradas e dispendiosas nos serviços de ressonância magnética e torna os hospitais um pouco dependentes de uma mercadoria com um fornecimento e preço imprevisíveis. O quanto o TCO e a produtividade da ressonância magnética são um fator, ao mesmo tempo em que impulsionam a sustentabilidade para o atendimento médico em geral ou na Suíça em particular?

 

Dra. Christoph Juli, radiologista: No atendimento médico hoje, todos estão preocupados com o retorno sobre o investimento, temos que estar. O atendimento médico é um negócio e nós temos que olhar para ele dessa forma, assim como todos os outros negócios. Devemos justificar o custo, retorno e valor do capital de equipamentos, parcerias e serviços em andamento. No departamento de radiologia, nos concentramos em plataformas estáveis ​​e confiabilidade para garantir que não haja quase nenhum tempo de inatividade além da manutenção. Também precisamos de um parceiro que trabalhe conosco e nos apoie a longo prazo, para que o foco seja nos resultados e na integração.

 

Em termos de sustentabilidade, o imã BlueSeal da Ingenia Ambition, que oferece baixo consumo de hélio, é bastante impressionante. Na Suíça, o congelamento de tubos quench é um problema em potencial, portanto, é muito útil o fato de a Ambition oferecer uma solução sem tubo de quench. O sistema compacto também é benéfico porque não requer um teto alto e permite que a unidade de resfriamento seja colocada em uma área pequena. Isso nos dá muito mais flexibilidade e aumenta a produtividade e o valor do ROI a longo prazo. Se você puder escolher apenas um ímã, o Ambition é ótimo para se ter em seu hospital.

 

Arjen Radder, Philips: Quando pensamos sobre o futuro da radiologia e tentamos prever a evolução do atendimento médico, a acessibilidade é uma prioridade. Você mencionou que gostaria de ver, algum dia, aparelhos de ressonância magnética em grandes shopping centers! Essa visão se alinha à ideia de que a “varejoização” do atendimento médico está impulsionando um novo paradigma de experiência do paciente, no qual eles têm mais opções e querem ser tratados como indivíduos com necessidades divergentes. Você pode compartilhar mais detalhes sobre por que você acha que isso é importante?

 

Dra. Christoph Juli, radiologista: Meu objetivo seria ter ressonância magnética disponível para todos e, portanto, temos de começar a pensar criativamente sobre como fazer isso e atender os pacientes onde eles estão, para tornar a ressonância magnética mais acessível. Isto é especialmente importante se cada vez mais usarmos aparelhos de IRM para triagem de doenças comuns, como doenças cardíacas. Tudo se trata de conveniência. Se pudermos levar os exames de IRM para os shoppings com segurança, eficiência e economia, e não for preciso muito esforço ou tempo para os pacientes fazerem a triagem, acho que aumentamos nossas chances de fazer com que mais pacientes sejam analisados. E, se pudermos fazer com que mais pacientes sejam examinados, poderemos ser mais bem-sucedidos na detecção precoce de doenças e as pessoas terão uma melhor chance de prevenção, o que, em última análise, terá um efeito muito positivo sobre a saúde da população.

 

Referencias:

[1] SuAzio Consulting, MRI efficiency study, December 2017. 

[2] The Advisory Board Company, Retaining and Growing Radiology Talent, 2018©

[3] Compared to the Ingenia 1.5T ZBO magnet.

Tópicos

Sobre o autor 

Arjen Radder

Arjen Radder

Líder global de negócios, IRM na Philips

Como líder global de negócios de IRM na Philips, Arjen Radder é responsável por impulsionar o crescimento do mercado e promover o posicionamento da Philips como líder em tecnologia de IRM e soluções de diagnóstico por imagem focadas no cliente. Anteriormente, ele trabalhou em várias funções de gestão no setor de saúde nos Estados Unidos, Europa, Oriente Médio e Ásia. Sua função mais recente foi como CEO da Royal Philips na região do Oriente Médio e Turquia.

Siga-me no
Cristoph Juli

Dr. Christoph Juli, FRCR

Especialista em Radiologia

Christoph Juli tem 20 anos de experiência no campo da radiologia. Ele é especializado em radiologia cardíaca e lidera o serviço de imagens cardíacas do Departamento de Imagens do Imperial College London há anos. Nos últimos quatro anos, ele trabalhou no hospital Spital Uster, na Suíça.